Sindicato fundado em 1939 visando a promoção da educação e a valorização de todos os seus profissionais. Visamos a qualidade no Ensino Público e Privado.

28/11/2019

Com Papas e Bolos Se Enganam os Tolos

O AUMENTO DO ORDENADO MÍNIMO NACIONAL TEM SIDO UM ESPETÁCULO!



Em todos os sentidos!

Quem é contra?

Zero votos em tantos portugueses (clicar)! Unanimidade! Por isso tanto espetáculo mediático! Constante!

Mas... e o ordenado médio? 

Não é assunto!



Pois é! Mas o ordenado médio é que é o indicador de referência acerca da obtenção de um mínimo de condições económicas para quem trabalha. Não é o ordenado mínimo!

DEFINIÇÕES

A «remuneração mínima nacional» (RMN) foi criada para assegurar, numa sociedade com fortes assimetrias e debilidades económicas, em que quem trabalhasse, trocando o que podia oferecer à sociedade (trabalho) pelo resultado desse trabalho (mais valias), tivesse um rendimento (vencimento) que assegurasse condições mínimas de sobrevivência. A RMN destinava-se a trabalhadores sem qualificações, muitas vezes analfabetos, num Portugal onde esta taxa ainda era elevada face à média dos países da OCDE.   

Ordenado médio - É o valor médio dos vencimentos obtidos pela totalidade dos assalariados, ou seja, a média de rendimentos (mensal) da população ativa.


É estimulante que o primeiro ministro esteja interessado em aumentar a RMN de 600 euros (2019) para 635 euros (2020) prevendo que em 2023 atinja os 750 euros. Poderá haver uma aproximação à média comunitária.

É muito preocupante que o primeiro ministro ignore, sistematicamente, o rendimento médio da população ativa que continua, em Portugal, abaixo do valor anterior à crise financeira que obrigou ao pedido de ajuda externa, em 2011. Já lá vai quase uma década. E a caminho de três legislaturas, duas da responsabilidade de António Costa. Está a existir um aumento do hiato entre Portugal e os restantes países da União Europeia (UE). Significado simples: A população ativa portuguesa empobrece face à dos restantes estados membro da UE. Conclusão simples: Estamos mal! 

Esta é a primeira de três partes ( I - Salário mínimo e médio). Seguem-se (em breve) as duas seguintes:

II - Em Defesa do Salário Mínimo

Breve sumário:
1. Desvirtuamento da essência do RMN; 
2. Evolução 1974/2020; 
3. Comparativo última década: RMN com vencimento do 1.º escalão da Carreira Docente.
  
III - Em Defesa do Salário Médio

Breve sumário:
1. Aproximação iníqua entre o Salário Médio e a RMN;  
2. Degradação dos rendimentos do trabalho em Portugal;
3. Apropriação indevida, pelo Estado, através de decisões do Governo dos rendimentos dos portugueses.

As duas partes estarão sempre balizadas segundo duas perspetivas:

SITUAÇÃO: PORTUGAL

SITUAÇÃO: UNIÃO EUROPEIA/OCDE (clicar


O SINAPE NÃO DEIXARÁ QUE LHE COMAM AS PAPAS NA CABEÇA
Ler mais

19/11/2019

Não Fiques Para Trás

PARTICIPA NA GREVE A REALIZAR EM 29 DE NOVEMBRO.



Quem sente que não é devidamente valorizado?

És TU!


Quem não tem uma carreira digna com percurso regular e com sustentabilidade?


És TU!


Quem teme que pode ser agredido impunemente?


És TU!


Quem trabalha em locais sem as mínimas condições para ser bom profissional?


És TU!


Quem quer fazer formação profissional e tem esse direito vedado?


És TU!


Quem sabe que não sabe onde pode estar amanhã?


És TU!


És tu que tens de fazer com que te respeitem e valorizem. Não deixes que sejam os outros, que sejam eles a lutarem por ti!


Quem é que tem de ser solidário e participar na greve, sexta feira, 219 de novembro?


És TU!


 O  SINAPE ESTÁ CONTIGO!  ESTÁ COM O SINAPE. 
Ler mais